Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Maio 2008

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

 


Roubos no cemitério de Rebolosa, no Sabugal

Quarta-feira, 14.05.08

O Cemitério da Rebolosa, no concelho do Sabugal, foi alvo de um roubo, no início deste mês, de duas pedras trabalhadas, em forma de pirâmide.

“Havia seis pedras iguais por cima do muro de vedação do cemitério, uma em cada canto e duas à entrada” explicou Manuel Barros, presidente da Junta de Freguesia da Rebolosa, adiantando que “as duas dos cantos frontais, junto à Estrada Municipal, desapareceram”.

Um popular, ao passar no dia 2 deste mês, frente ao cemitério, pela manhã, apercebeu-se que algo estava diferente e, num olhar mais atento, verificou que as duas pirâmides da entrada do cemitério local tinham desaparecido.

A Junta de Freguesia da Rebolosa apresentou já queixa contra desconhecidos no Posto da GNR do Soito aguardando as diligências da Guarda, e esperando que as pedras, trabalhadas, possam ser encontradas e repostas no lugar de origem.

“A surpresa foi grande pelo acto em si e pelos meios utilizados”, admite o presidente da Junta, Manuel Barros, acreditando que não foi uma única pessoa a cometer este acto, porque diz, “cada peça deverá pesar algumas centenas de quilos”.

Manuel Barros lamenta a situação e quer os responsáveis punidos “espero que as peças apareçam e que os responsáveis sejam punidos”, afirmando que “este património, ali colocado há muitas dezenas de anos, é património de todos e não de ninguém em particular”.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes