Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Março 2008

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

 


SMAS da Guarda reduziu desperdícios de água

Segunda-feira, 10.03.08

Os Serviços Municipalizados de Águas e Saneamento da Guarda reduziram nos últimos dois anos mais de 11 por cento no consumo de água que era paga pelo SMAS às Águas do Zêzere e Côa mas que não chegava a ser consumida.

Em 2005 haviam desperdícios que rondavam os cerca de 40 por cento, fruto de falhas e roturas nos sistemas de distribuição, mas também em sistemas de regas ilegais e contadores que não efectuavam uma contagem rigorosa da água consumida pelos munícipes.

Nós últimos dois anos o SMAS envidou esforços no sentido de inverter tão grande desperdício de água, e iniciou transformações, quer ao nível da instalação de novos contadores, quer na substituição faseada das condutas de distribuição de água na rede.

Vítor Santos, administrador do SMAS refere que existia uma grande diferença entre os metros cúbicos que eram comprados às Águas do Zêzere e Côa e os metros cúbicos que eram depois vendidos aos consumidores finais “no ano 2005 estes valores rondavam os 40 por cento, isto é, havia perdas de água provenientes de regas utilizando ilegalmente água, ou seja, água que era utilizada mas não era comprada, assim como todos os sistemas de regas e não só, por parte da Câmara Municipal e de empresas municipais que não regularizavam esses valores junto dos serviços municipalizados”. O ano de 2006 foi de viragem e a redução foi já significativa “reduzimos para cerca de 34 por cento” sendo que o ano passado as perdas cifraram-se nos 29 por cento, bem abaixo da média nacional “entre os 30 e os 40 por cento”.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes