Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Janeiro 2008

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

 


Oposição acusa a Câmara da Guarda pelo mau estado das vias

Terça-feira, 15.01.08
Falta de sinalética, limpeza das bermas e marcações são as principais queixas dos vereadores social-democratas.
A vereadora do PSD, Ana Manso, queixa-se do mau estado de conservação das estradas do concelho da Guarda, acusando o executivo socialista de “desleixo” e falta de preocupação quando às questões de segurança e conforto dos automobilistas.
“A rede viária municipal está francamente doente”, diz Ana Manso, para quem "tem que haver aqui um plano de intervenção municipal que melhore algumas estradas e que faça um trabalho de arranjo e sinalética que é fundamental para dias de nevoeiro”.
Para Ana Manso “são pequenos arranjos que demonstram um grande desleixo e uma falta de preocupação por parte do executivo socialista nas questões da rede viária municipal e com o conforto e a segurança das pessoas”.
Joaquim Valente, presidente da Câmara Municipal da Guarda assume que existem vias onde é necessária uma intervenção mais continua, mas aponta também o facto de este ano de 2007 ter contado com chuvas fora de época “foi um ano bastante ingrato em termos de vegetação, vieram chuvas anormais, o que provocou que o mato e pasto crescessem por duas vezes, tivemos estradas que foram intervencionadas por duas vezes, pelo que nem sempre essas boas condições de utilização se verificam”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.





Comentários recentes





subscrever feeds