Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



GNR aconselha idosos


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Junho 2010

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

 


Mercado dos Produtos da Terra em Celorico

Sexta-feira, 25.06.10

Vai realizar-se em Celorico da Beira, este sábado, a segunda edição do Mercado de Produtos da Terra. Uma iniciativa da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia de Santa Maria.

O certame, que tem lugar entre as 8h e as 18h, procura escoar os produtos agrícolas de pequenos agricultores e comerciantes do Concelho, dinamizando também a Vila.

Este sábado, o Mercado conta com a animação das Concertinas de Fornotelheiro, para além de no local do mercado, Largo de Santa Maria, existirem insufláveis e jogos infantis, para os mais pequenos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

1 comentário

De Paulo a 05.07.2010 às 05:59

É com profundo desgosto que mais uma vez a cidade da Guarda recebe mais uma machadada de forma fria e crua. Não bastavam as inúmeras obras desnecessárias, bizarras, despidas e sem nexo e onde o betão e o bronze desvirtualizado definem tristemente o panorama paisagístico da Guarda, como também não de agora, mas de à muito, se assiste à incapacidade da autarquia local em trazer vida e ânimo às outrora vigorosas estruturas humanas e industriais não apenas da Guarda mas de todo o distrito. É lamentável que aos poucos a Guarda vá perdendo alguns dos seus “F” ao contrário de regiões vizinhas. É igualmente com profundo desgosto que olho para a cidade, uma cidade muda, esquecida no tempo, onde nada muda e onde tudo permanece igual à semelhança de um centro de mesa numa sala vazia cujos donos esperam pacientemente a visita dos seus entes queridos, mas que até lá o pó vai dominando até alguém se lembrar que deve ser removido! Uma cidade tristemente dominada pelos confrontos políticos doentios, onde são postos em causa e em jeito de troféus, importantes pólos de desenvolvimento como o Instituto Politécnico, a Delphi, Gelgurte, o futuro Hospital da Guarda e a sua maternidade tão bem defendida pela minha colega Teresa Gil entre outras empresas que gradualmente vão despedindo trabalhadores e gradualmente vão fazendo da cidade da Guarda, uma cidade ainda mais esquecida e envelhecida, sem desenvolvimento e que por sua vez vai fazer com que centenas de jovens e não jovens procurem com sangue, suor e lágrimas em regiões vizinhas e no estrangeiro o dinamismo e o empreendedorismo que não existe nesta cidade. Basta! Basta de hipocrisia! É tempo de as pessoas olharem para o mundo! Onde está a compaixão e o humanismo que nos definem!? Esqueçam a cegueira de quem nada vê, mas que em tudo torna utopia! Sejamos humanos ao ponto de podermos olhar para os nossos vizinhos e com um simples sorriso alimentar a esperança de um futuro melhor para o nosso distrito. É triste o exemplo de me deslocar a uma grande superfície e não encontrar os iogurtes da Gelgurte, sobretudo para alguém que os comprava não apenas pelo sabor e qualidade, mas também sabendo à partida que defendia o posto de trabalho de alguém! É triste ser informado que já não estão à venda por ter havido uma reestruturação da empresa e respectivos contratos, à semelhança de outras empresas! Não façamos da crise a desculpa para todos os males. O mal está em quem nada fez/faz para ultrapassar essa crise, em que nada fez/faz para ajudar o tecido empresarial da Guarda, nesse marasmo decrépito, ignorante e sem vergonha com que entregou de bandeja a base logística empresarial para a vizinha Espanha e nada fez para travar o declínio deste distrito que tinha outrora, se bem aproveitado as bases de um futuro promissor, agora tornado numa utopia de Thomas Moore. Um dia…quando voltar à Guarda…quero poder acreditar nessa Força que nos une contra a cegueira de quem nada Faz!

Comentar post





Comentários recentes