Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Fevereiro 2008

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
242526272829

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

 


Na Guarda: Julgamento e Morte do Galo do Entrudo

Domingo, 10.02.08

Testamento do Galo

 

Camaradas, companheiros
Delegados de outros galinheiros
Já percebi onde isto vai dar
Vieram todos para me queimar
 
Esta noite no lugar
Escreveram sentença de morte
Nada posso contra tal sorte
Mas deixai-me, pela última vez, cantar
 
Sou um galo independente
Tenho escrito o testamento
Deixo o pescoço ao Valente
E o mais da goela ao Vitinho, à Doutora… e ao Bento!
 
Não ordeno que cantem em coro
Pois cada ave tem sua afinação
Mas não trovem ao desafio – tenham decoro! –
E cantem a mesma canção
 
Aos membros das oposições
Deixo os meus esporões
Não estou a pedir a guerra
Mas, pelo menos, desçam à terra!
 
Aos deputados da Nação
– e deputadas, pois então! –
Deixo as minhas esgravatadeiras
Para não dormirem nas cadeiras!
 
Entregai as minhas penas,
Meu casaco avermelhado
Ao Nosso Bispo (sem pecado!)
Para o aconchegar nas novenas
 
Deixo as penas do pescoço
Variadas e pintadas
Às moças que procuram moço
Para andarem mais enfeitadas
 
Ofereço aqui o poleiro
E o papo, que foi meu celeiro
Para pagar o dinheiro
Que devem ao testamenteiro
 
Dou a minha magra chicha
Que é muito bom alimento
Ao TMG, que se lixa
Porque não há orçamento
 
Fábricas, emprego e Plie
Parece que há, agora, quem se fie
Deixo então o meu bico
Ao primeiro que disser: eu fico!
 
As penas do meu rabo
Podem dar um abanador
Porque no fim deste folguedo
Vai-vos dar o calor!
 
Deixo os meus fígados ruins
Aos velhos da retaguarda
Aos que não confessam os fins
E aos do falso amor à Guarda
 
Também o molho das tripas
E toda a mais demasia
Deixo a quem só vive de tricas
E nada fez, e nada faz – mas diz sempre que fazia!
 
Dizem, Senhor Alcaide
Que no tempo das avozinhas
Lugar onde havia galo,
Não cantavam as galinhas
 
Agora, diz a galinha:
– Eu calada é que não fico! 
E anda para aí muito capão 
Que não se atreve a abrir o bico!
 
Sendo assim, Senhor Castelão
Mesmo que mal lhe pareça
A melhor parte – o meu coração
Não deixo à vossa pertença
 
Bom coração já vossa mercê tem
Até digo que vale por dois!
Onde o auxílio lhe fica bem
É mais abaixo, nos… calções!
 
Cedo-lhe aqui os badalos
que não levarei comigo!
Mas se os cozinhar para a oposição
passe-os também por fogo amigo!
 
Meu coração deixo então
Ao povo deste lugar
Para ajudar a pagar
A Quinta do Alarcão
 
Ofereço-vos também a crista
Mas quero-a esticada para cima!
Já nem vos posso pôr a vista
Quando vos queixais da auto-estima!
 
Adeus Guarda, que abalo
Deixo-te o corpo, trata da alma
Se prò ano não estiveres calma
Culpa-te a ti – não chateies o galo!

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes





subscrever feeds