Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Novembro 2007

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

 


Mocho-Galego foi libertado em Seia

Sexta-feira, 09.11.07

O CERVAS – Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens procedeu no passado sábado, dia 3, à libertação de um Mocho-Galego, na Quinta do Chão da Vinha, em Carragosela, concelho de Seia.

A ave de rapina foi largada já ao entardecer, devido à característica nocturna desta espécie, tendo para o efeito, os biólogos do Instituto da Conservação da Natureza exibido um vídeo sobre o Mocho-Galego, às dezenas de pessoas que quiseram assistir à libertação do animal.

O CERVAS encontra-se de momento a recuperar várias aves, com destaque para alguns abutres e “ginetas”.

O Mocho-Galego (Athene noctua) é uma ave de rapina nocturna de pequena dimensão, com um peso varia entre os 120 e os 200 gramas, que facilmente pode ser observada em campo aberto. Encontra-se com facilidade pousado em postes ou cabos de electricidade, quando se encontra de vigia em busca de alimento. Utiliza para refúgio ou nidificação buracos em troncos de árvore (a incubação é de 28 dias), pedras no solo ou mesmo edifícios. Em locais mais expostos a sua plumagem activa permite-lhe passar despercebido aos predadores. A ameaçar a espécie estão comportamentos incorrectos como a utilização de pesticidas, a captura ilegal ou mesmo o atropelamento.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes





subscrever feeds