Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



GNR aconselha idosos


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Janeiro 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

 



Debate sobre o futuro da Maternidade da Guarda

Terça-feira, 24.01.12

Tem lugar esta terça-feira, dia 24, às 21h30 no Café Concerto do TMG, o ciclo «Rádio Café», organizado em parceria pela Rádio Altitude e pelo Teatro Municipal da Guarda.

O primeiro debate de 2012 é dedicado a um tema que está entre os maiores desafios da Guarda para o ano que agora começou: «Que podemos fazer pela Maternidade?».

Perante a hipótese de encerramento do único bloco de partos do distrito, se forem levados em conta os mais rígidos critérios sugeridos pelo grupo de estudo da reforma hospitalar, queremos saber com que argumentos poderá a Guarda lutar para defender a continuidade deste serviço. Quais são os nossos pontos fortes e os nossos pontos fracos? De que maneira devem as instituições da cidade e do distrito organizar-se e envolver-se na defesa da Maternidade? Que razões tem o cidadão para acreditar nesta causa? Como poderá o bloco de partos do Hospital da Guarda afirmar-se como o melhor da região? Que papel cabe aos profissionais de saúde, aos representantes políticos e às chamadas "forças vivas"? O que poderá acontecer à Guarda se a Maternidade fechar? Eis algumas abordagens para um debate a muitas vozes.

O painel inicial de intervenientes será formado por Ana Margarida Correia (professora e jovem mãe), Cremilde Sousa (médica obstetra e chefe do serviço de Obstetrícia do Hospital da Guarda), Isabel Marta (enfermeira-parteira aposentada), Sofia Monteiro (professora e activista) e Vasco Queirós (médico de família).

O debate será aberto a todos quantos estejam presentes no Café Concerto do TMG e queiram intervir. A moderação será feita pelo jornalista Rui
Isidro. A entrada será livre - e a opinião também.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Visitantes, de onde?

Locations of visitors to this page

Visitantes

hit counters
hit counter


Comentários recentes