Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



GNR aconselha idosos


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Janeiro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

 



Hospital da Guarda livre da Gripe A

Terça-feira, 18.01.11

O Hospital Sousa Martins da Guarda não regista novos casos de gripe A desde a semana passada, estando a situação «ultrapassada», disse hoje à Lusa fonte do conselho de administração (CA) da Unidade Local de Saúde (ULS).

Segundo Fernando Girão, presidente do conselho de administração da ULS da Guarda, nas duas últimas semanas foram detectados 33 casos de gripe A, sendo 18 entre profissionais e 15 de doentes mas «neste momento é uma situação completamente ultrapassada».

O responsável adiantou que os profissionais que foram infectados pelo vírus «já estão a trabalhar» e que não há casos de doentes a ser acompanhados.

«Nunca mais apareceram novos casos e, portanto, penso que está debelada toda a situação», disse o responsável, recordando que as últimas situações de análises com resultado positivo na gripe A ocorreram no início da semana passada.

Fernando Girão observou que apesar de não haver registo de novos casos, o panorama poderá alterar-se de um momento para o outro, daí que a ULS esteja a promover uma campanha de vacinação junto dos utentes e dos profissionais do Hospital da Guarda que não tomaram a vacina da gripe.

O responsável adiantou que «da parte dos utentes tem havido alguma procura» da vacina, mas em relação aos profissionais da unidade de saúde, essa procura é «bastante lenta». Para a resistência apresentada pelos profissionais aponta razões relacionadas com «situações alarmistas por alguns efeitos colaterais que foram surgindo» que terão, eventualmente, «inibido os profissionais a tomarem a vacina».

Autoria e outros dados (tags, etc)



Visitantes, de onde?

Locations of visitors to this page

Visitantes

hit counters
hit counter



Comentários recentes