Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



GNR aconselha idosos


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

 



Guarda, Covilha, Castelo Branco. Qual fecha?

Domingo, 13.09.09

Dezenas de médicos da Guarda questionaram, por abaixo-assinado, o ainda primeiro-ministro José Sócrates sobre o futuro das três maternidades existentes na Guarda, Covilhã e Castelo Branco.

O Governo, nesta legislatura, encerrou algumas maternidades no país e tinha programado reorganizar o serviço de maternidades na Beira Interior.
Segundo os médicos subscritores do documento, a manutenção das três maternidades é “insustentável” a curto prazo, e os clínicos dizem mesmo que quando outras maternidades do país foram encerradas, realizavam naquela mesma altura um número superior de partos ao que as maternidades da Beira Interior realizam actualmente.

O Centro Hospitalar da Beira Interior, projecto abandonado e que iria juntar os três hospitais (Guarda, Covilhã e Castelo Branco), era uma ferramenta que serviria para definir onde se manteria aberto o serviço de maternidade, mas depois de criada a Unidade Local de Saúde da Guarda (ULS), os médicos questionam-se como será agora tomada a decisão.

Os médicos admitem mesmo que, pelo menos, uma maternidade, das três, terá de encerrar, mas questionam-se pela distância que existe entre elas.

Esta é também a posição do candidato do PS às legislativas pelo Distrito da Guarda, Francisco Assis, que defende que a maternidade da Guarda não tem razões para ser encerrada, pela distância que existiria depois a percorrer pelas grávidas para os seus partos. Apesar do apoio deste socialista, que já liderou a bancada parlamentar do PS, os médicos da Guarda afirmam que deveria existir uma tomada de posição do Governo antes do final desta legislatura.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Visitantes, de onde?

Locations of visitors to this page

Visitantes

hit counters
hit counter


Comentários recentes